Como escrever um artigo - dicas para tirar seu artigo do papel

Achamos muito difícil escrever um artigo. Tirar a nossa ideia da cabeça e colocar em palavras parece impossível. Nesse artigo aprendemos algumas dicas para tirar nosso texto do papel.

Na comunidade de desenvolvimento de software é comum escrevermos artigos e para isso possuímos nossos próprios blogs ou mesmo escrevemos para algum portal (ou portais) de tecnologia. Isso é muito importante para transmitir o que sabemos, seja pouco ou muito, e também nos ajuda a fixar conhecimento.

Muita gente sente vontade de escrever, mas acha que não tem noção de como se faz ou mesmo tem medo de fazer algo errado por falta de prática. Isso é extremamente normal. Nesse artigo eu vou tentar transmitir um pouco do que eu aprendi durante os últimos anos e as dicas que peguei através de palestras sobre comunicação para que assim você sinta coragem de tirar seus artigos do papel/da cabeça/do rascunho.

Não garanto que você vai sair escrevendo perfeitamente depois de ler esse artigo, afinal eu também ainda não escrevo perfeitamente, mas vou tentar te dar uma boa base para que você perca o medo ou para que estruture os artigos de maneira a se sentir confiante no que está fazendo.

Mesmo com essas dicas você ainda vai receber feedback’s de melhorias depois que os seus artigos forem publicados e isso é bom! — Não se esqueça de me ensinar o que aprender. ;)

Máquinas de escrever - [Banner image created by Chevanon — Freepik.com](https://www.freepik.com/free-photos-vectors/banner)

Tudo começa no rascunho

Escrever artigos é parecido com criar um software: você desenha um modelo em um papel, modela logicamente, escreve o código e então refatora. — Pelo menos se fizermos assim fica mais fácil.

Se você seguir esse mesmo modelo de desenvolvimento na escrita dos seus artigos, então vai ficar tudo mais fácil!

Um bom rascunho pode começar no papel, num Google Docs, em post-its ou qualquer meio onde você possa reunir suas ideias.

O que eu faço é usar técnicas de brainstorm e mapas mentais: eu escrevo em um documento no Google Docs várias palavras chave a respeito de um assunto ao qual quero dissertar e em seguida eu conecto essas palavras em formato de lista. Essa lista serve como tópicos e sub-tópicos que devem ser escritos no artigo.

O brainstorming (em português “tempestade cerebral”) ou tempestade de ideias, mais que uma técnica de dinâmica de grupo, é uma atividade desenvolvida para explorar a potencialidade criativa de um indivíduo ou de um grupo - criatividade em equipe - colocando-a a serviço de objetivos pré-determinados. wikipedia

Mapa mental, ou mapa da mente é o nome dado para um tipo de diagrama, sistematizado pelo psicólogo inglês Tony Buzan, voltado para a gestão de informações, de conhecimento e de capital intelectual; para a compreensão e solução de problemas; na memorização e aprendizado; na criação de manuais, livros e palestras; como ferramenta de brainstorming (tempestade de ideias); e no auxílio da gestão estratégica de uma empresa ou negócio. wikipedia

Por exemplo:

Claro que no rascunho que eu fiz para esse post tem muito mais palavras chave, porém o artigo ficaria muito extenso se eu colocasse tudo aqui.

Com esse modelo mental pronto, então eu começo a fazer o rascunho do artigo de fato. Esse rascunho deve ser escrito com o máximo de exatidão possível. Deve ser possível que eu copie e cole esse rascunho para a ferramenta ao qual eu vou publicar o post (meu blog ou Medium, por exemplo) e em seguida publicar, sem muitas alterações.

Claro que ainda vem a fase de revisão, mas o rascunho deve ser feito com o mesmo profissionalismo com o qual você escreve seu texto, pois é ali que você consegue identificar falhas com mais facilidade.

O rascunho é uma fase importante, não pule essa fase. Se não quiser usar o rascunho, pelo menos faça ou peça sempre uma revisão de outra pessoa.

A estrutura de um bom texto

Aqui você deve lembrar das aulas de português da época de escola: um bom texto deve possuir uma introdução, um desenvolvimento (ou o meio do texto) e um fim.

Enquanto o seu leitor lê o seu texto ele tem dois ápices de atenção: o começo do artigo e o final. Nesses dois momentos é onde você deve se dedicar com mais afinco, pois na introdução você irá fazer com que o leitor tenha vontade de ler seu artigo até o final e também vai explicar pra ele do que você vai falar e no final do artigo é que você relembra ele do que você falou e finaliza seu raciocínio.

Não estou dizendo que o meio do artigo não deve ser bom, mas que você precisa se dedicar também a introdução e a finalização do artigo. Muitas pessoas se esquecem desse importante detalhe.

Introdução

Na introdução você deve ser sincero ao descrever do que você vai falar do artigo, evite pensar somente em page view. Escrever mentiras no começo do artigo como se ele fosse sensacional e no meio do texto você não argumentar de verdade é desonesto.

Na introdução é interessante colocar links para outros artigos de sua autoria que possam reforçar o que você está dizendo ou mesmo tem relação com esse assunto.

Alguns exemplos disso são esses posts:

O que fazer depois de instalar o Fedora

Nesse eu falei sobre o Fedora, mas logo no começo eu linkei um post de minha autoria que fala de outra distribuição Linux, o Ubuntu.

Comecei a faculdade de informática, e agora?

Aqui eu linkei tanto meu perfil no LinkedIn para falar sobre os empregos que consegui sem faculdade, quanto um texto falando sobre a profissão que eu alcancei, também sem faculdade, e links sobre contribuir com comunidades para reforçar o que eu iria dizer no artigo.

Produtividade: priorização de tarefas, execução e melhoria do processo

Nesse outro artigo eu linkei uma série de posts sobre produtividade que eu estava produzindo. — Vou comentar sobre séries de posts mais pra frente.

Dá uma olhada na maneira como eu fiz a introdução desses artigos, para ter uma idéia melhor do que estou falando.

Desenvolvimento (meio)

No meio do texto é que você vai colocar todas as suas ideias. Você deve buscar argumentar sobre o que você disse que iria falar na introdução do artigo. Não deixe aqui palavras vagas para que reforce no final do artigo, você deve escrever sempre com muito respeito ao seu leitor e ele espera bons argumentos aqui.

Talvez se você estiver começando, pode até ficar com medo do que escrever aqui, pois bem, você deve colocar o assunto do qual você disse que iria falar. Deve dissertar sobre o tema do seu artigo. Não tenha medo. Você já fez a promessa na introdução, agora FALE!

Se você navegar pelos meus primeiros artigos pela internet vai perceber que eles são somente manuais de como se fazer algo:

Meu primeiro blog: willworldweb

Mesmo depois que eu melhorei um pouco, os artigos continuaram sem muita argumentação no meio do texto: Vagrant - introdução e instalação.

Esses textos estão um pouco vagos.

As pessoas irão ler, podem até usar esse texto como referência para alguma coisa, mas dificilmente saem sabendo algo de fato. E nós queremos o contrário, queremos que a pessoa saia do nosso texto com muito conteúdo útil para suas vidas.

Nos meus últimos artigos eu melhorei um pouco:

Uma coisa importante a se atentar no desenvolvimento do texto é: NÃO ENCHA LINGUIÇA. Esse ditado diz muito sobre o que algumas pessoas fazem em seus artigos (principalmente empresas de conteúdo e sites de “informação”) só para ter um número certo de palavras chave no texto, ranquear no Google e ganhar sessões.

Por favor, não faça isso. Se você quer ter palavras suficientes para ranquear no Google, então argumente de verdade sobre o assunto, seu leitor merece ser tratado com o mínimo respeito.

“Encher linguiça” é uma expressão popular que significa enrolar, preencher um espaço vazio com embromação, ou seja, com informações irrelevantes e de nenhum interesse. https://www.significados.com.br/encher-linguica/

Busque referências para colocar no seu texto, busque informação verídica para melhorar seu artigo. É por causa da encheção de linguiça que a maioria dos textos publicitários parecem a mesma coisa e não acrescentam muito a nossas vidas. — Na minha opinião, claro.

Você ainda pode usar imagens para reforçar o que você diz, como gráficos por exemplo.

Na nossa área também é muito comum colocar exemplos de código e é importante que esse código esteja bem formatado e com um sintax highlight pra ajudar quem lê seu código. Recomendo pra isso o uso do Gist. Vai facilitar demais sua vida! :D

Fim

Quando o leitor chega ao final do artigo, muitas vezes, ele não se lembra do que leu no começo (introdução) ou no meio do texto.

Na finalização você deve relembrar o tema do artigo e o que você iria dizer, reforçar os seus argumentos do meio do texto e então finalizar com algo que reforce tudo o que você falou.

Procure não se estender muito, você já deve ter falado bastante até aqui, então só relembre as coisas chave e finalize logo.

No final do texto também é importante colocar informações sobre contato, informar que você aguarda os feedbacks de quem leu e avisar como alguém pode te ajudar como, por exemplo, curtindo o post, compartilhando, etc.

Essas três partes são uma estrutura simples para um artigo. Então, depois de fazer seu rascunho, escreva seu texto seguindo essa lógica: começo, meio e fim.

Revisão

A revisão do seu artigo é algo muito importante, você deve revisar seu rascunho quantas vezes for preciso até que não veja mais necessidade de mudar nada no texto. Em seguida você pode mandar esse texto para que outra pessoa leia, pois você deve ter lido tantas vezes que se cansou e pode deixar passar algo.

Um amigo ou amiga pode rever seu texto e informar onde você pode melhorar.

Nesse momento você deve se colocar em estado de recebimento de críticas, afinal a outra pessoa pode achar seu texto horrível e irá falar isso pra você. Tente não levar nada disso pro pessoal. É só uma melhoria. A pessoa está criticando o que você falou ou só como você escreveu, não está criticando a sua existência. — #paz

Uma boa maneira de se revisar o seu artigo é lendo em vóz alta tentando seguir as pausas que colocou através dos pontos e vírgulas.

Evite erros de português

Não somos escritores especialistas, nem professores de português. Os erros podem e vão acontecer e isso é extremamente comum. Porém precisamos nos esforçar para minimizar isso em nossos artigos.

Um artigo com muitos erros demonstra algumas coisas sobre o autor: ou essa pessoa não domina a língua que fala/escreve (o caso mais comum), ou é desatenta, ou é desleixada.

Você não quer passar uma imagem ruim para quem está lendo seu artigo, por isso é necessário extremo cuidado com a linguagem escrita.

Pontuação e uso correto da vírgula também é muito importante, pois quem lê não escuta o que você diz com a entonação correta. É necessário o uso da pontuação para transmitir, de forma correta, o que você quer dizer.

Algo bem comum entre nós, autores amadores, é o uso de gírias e até palavrões. Quando eu leio um texto com palavrão fico extremamente descontente com o autor ou autora, afinal isso pode ser comum para algumas pessoas (eu falo palavrão), mas pode ser incômodo para outras.

Quando você deixa um palavrão ali no meio do seu texto você já eliminou algumas pessoas que estão lendo, pois ficam tão desconfortáveis que até fecham a aba do navegador.

As gírias são legais de se usar, mas só na nossa região. Algumas gírias existem na nossa região e não existem em outras, por isso não é interessante seu uso, a não ser que você as explique. Você precisa imaginar que todo o tipo de gente lendo seu texto, não somente seus conhecidos, amigos e pessoas da sua cidade.

Uma maneira que eu utilizo para evitar os erros é utilizar o Google Docs, mas pode ser qualquer outro editor de texto desse modelo como o LibreOffice, Word, etc. Só precisa ser algum que possua verificador de ortografia.

A revisão também vai ajudar a evitar esses erros.

O uso de títulos e subtítulos

Seu texto só tem um título, de resto você usará subtítulos.

Os subtítulos devem ser usados para demarcar ou separar uma sessão de texto ou uma linha de raciocínio de outra.

Um texto escrito abaixo de um subtítulo deve ter relação com o título principal, mas pode até ser um texto separado dos outros subtítulos usados na página.

É como se você pegasse um módulo do seu software, junta-se em outro módulo maior e tudo isso forma o software que o usuário irá utilizar, mas cada pedaço deve poder existir separadamente.

Quando você ver que um pedaço do seu texto já não está mais fazendo referência ao subtítulo acima dele, é sinal que você deveria pensar em outro e separar esse pedacinho.

Os sub-tópicos do seu rascunho podem até ser os subtítulos do artigo, se assim fizer sentido.

Evite falar somente para os homens

Nós temos o costume de usar sempre o masculino nos nossos textos e isso é extremamente normal. As pessoas já estão acostumadas.

Mas talvez seja interessante não utilizar coisas como os que usei nesse mesmo artigo como: “o leitor”, “ele lê”, “ele” , ‘ser sincero”, “seu leitor” — sim eu fiz de propósito pra poder exemplificar aqui.

Você deve ter percebido que muitas vezes eu usei “a pessoa que lê seu artigo” e isso é uma maneira de não utilizar somente o masculino para me referir a nossos leitores e leitoras.

Claro que um robô pode estar lendo o seu artigo, porém é assunto pra outra discussão. ;D

Um excelente texto que pode nos ajudar a melhorar a escrita para deixar ela mais inclusiva é o Adotando a linguagem neutra de gênero, da Paula Ribas, no blog da ThoughtWorks Brasil.

Evite artigos muito grandes, crie séries

Durante a fase de rascunho de um texto você já consegue identificar se o texto está ficando muito grande.

Em casos assim é interessante que se quebre esse artigo em vários outros menores. As pessoas não tem muito tempo para ficar 20 minutos lendo nossos textos, infelizmente.

Quando criar uma série de artigos, lembre-se de avisar no primeiro artigo que isso é uma série e no final do texto já deixe um aviso ou uma prévia do que será falado no próximo texto.

Você pode fazer algo como: Artigo xyz, parte 1, parte 2, parte 3.

Não somos donos da sabedoria total do universo

Eu me incomodo muito quando alguém escreve um texto se colocando muito pra cima, como se outras pessoas não soubessem fazer o que quem escreveu faz.

É muita pretensão escrever um artigo sobre como escrever artigos, mas eu fiz isso porque algumas pessoas me pediram. Não é porque eu sou referência em escrever artigos e mesmo que fosse é necessário ter humildade em nossas palavras, pois quem lê nosso artigo pode se sentir mal dependendo de como falamos.

Imagina se eu começasse esse texto com a seguinte introdução:

Eu resolvi escrever esse texto porque um monte de gente escreve mal pra caramba pela internet afora, então decidi ajudar essas pessoas.

Isso seria bem soberbo e demonstraria extrema falta de humildade de minha parte. Um texto com uma introdução dessas logo seria descartado por mim como leitor.

Ao escrever, tenha a mínima noção de que você está transmitindo o que você sabe e isso não significa que você sabe mais do que todo mundo. Você só teve coragem de colocar pra fora e aparecer publicamente.

Conclusão

Bom, se você leu todo o artigo, agora você sabe que eu vou comentar que para escrever um artigo você deve começar pelo rascunho, talvez usar uma técnica de brainstorm e mapas mentais, também que o seu texto precisa ter um assunto principal e não deve fugir desse assunto e os subtópicos podem ser os subtítulos deste artigo, você também deve ter entendido que o artigo deve possuir começo, meio e fim e sabe o que colocar em cada parte do texto.

Com as dicas que passei aqui você ainda consegue evitar os erros de português e não se esqueça de enviar seu artigo para revisão!

Se você acha que da para melhorar esse texto, me avise como. Estamos aqui para melhorar sempre.

Lembre-se que a comunidade precisa de gente escrevendo para continuar tendo bom conteúdo e se desenvolver, e você pode fazer parte de tudo isso.

Se você gostou desse artigo, dê um curtir aqui em baixo para que eu saiba disso.

Também compartilhe nas redes sociais, envie pro seu cachorro que quer ensinar as pessoas a se comunicarem com ele, mande pro seu papagaio que só fala e nunca coloca no papel os artigos dele.

Espalhe a palavra.

Categorias:

Espalhe a palavra!

Compartilhe este artigo nas redes sociais clicando nos ícones.

Deixe um comentário