William Oliveira

Carreira em programação, JavaScript, Nodejs, Performance Web, Git, GitHub, Linux, Open Source, mas também coisas realmente importantes como inclusão e diversidade - Vim da periferia pro mundo

Criando nosso plano de carreira no Trello

No artigo anterior, sobre plano de carreira, comentei como utilizar estatística e dados para planejar nossa carreira através de buscas em sites de emprego, empresas, comunidades, etc. Neste artigo vamos analisar uma ideia que eu sigo de utilizar o Trello, uma ferramenta de gestão de projetos, para organizar nossas metas e, por consequência, atingir nossos objetivos do plano de carreira.

Imagem de um rio formando um caminho, Photo by NASA on Unsplash

Preparando o board

Para facilitar o entendimento, e eu não esquecer de nada, criei um board vazio para os exemplos neste artigo.

Eu gosto muito do Trello pela simplicidade, mas você pode utilizar qualquer ferramenta que possibilite trabalhar com o modelo de Kanban, como o Asana, Pipefy, etc.

Como de prache, teremos as seguintes colunas no quadro: backlog, todo, doing e done, onde:

Board com as colunas backlog, todo, doing e done

Para não nos sobrecarregarmos, vamos limitar o que fazemos deixando um número nas colunas todo e doing com o limite de cards que podem estar ali.

Board com os limitadores de tarefas, como Todo (5) e Doing (5)

Isso porque, se estamos fazendo mais que uma coisa ao mesmo tempo, então podemos estar nos cobrando demais ou mesmo fazendo algo sem planejar. Só devemos executar o que realmente causa impacto na nossa carreira.

Além disso, seria legal termos uma coluna onde colocamos quais são nossos objetivos de mais longo prazo para que sempre revisemos lá. Podemos chamar essa coluna de following.

Coluna following

Agora que temos nosso quadro montado, podemos partir para a parte de colocar as informações que coletamos para finalmente podermos trabalhar nas metas.

Alimentando nosso board

Conforme explicado no artigo anterior, devemos pesquisar muito, coletar o máximo de dados, consolidar a informação e só então conseguiremos seguir com nosso planejamento de metas.

Vamos revisar as perguntas básicas que devemos nos fazer:

Devemos colocar isso em um card em following e sempre revisitarmos ele para analisarmos se realmente estamos seguindo para o caminho certo com nossas tarefas de médio e curto prazo. O título desse card pode ser algo como “metas de longo prazo”, mas também podemos chamar de “metas para 5 anos”, “metas para 3 anos”, etc.

Card de metas de longo prazo

Neste card devemos colocar as respostas para nossas perguntas e não devemos mais alterar elas. Qualquer alteração nesse card deve gerar um novo e este deve ser arquivado. Isso para facilitar a busca no histórico e relembrarmos quais eram nossos planos antes, caso algo mude. Qualquer alteração também deve ser comentada no card, afinal temos que lembrar o porque tomamos aquela decisão e só vamos lembrar disso se tivermos catalogado.

Metas de longo prazo, conforme descrito na lista acima

Essas metas devem ser o mais genéricas possíveis, pois aprender uma tecnologia X hoje não garante que você estará utilizando ela daqui a 5 anos, nem que você vá cumprir os demais objetivos com ela. Porém saber o cargo em que você deseja estar ou como pretende ser reconhecido(a) no mercado e coisas do tipo pode te ajudar a entender melhor este card e até mudar isso no futuro.

Pode acontecer de criarmos muitas tarefas de curto prazo que não tem nenhuma relação direta com nossas metas de longo prazo e, quando isso acontecer, devemos fazer um exercício de raciocínio onde definimos o que é realmente importante de ser feito. Devemos seguir com nosso plano de carreira já montado ou devemos adicionar essa meta de curto prazo? Essa tarefa de curto prazo me ajuda a alcançar meus objetivos de alguma maneira? Ela é realmente necessária?

Um exemplo pessoal aconteceu recentemente, onde eu perdi totalmente o foco do que estudar. Me encontrei em um período em que estava estudando Nodejs, React, Rust e Clojure. As duas primeiras tecnologias me ajudam no meu plano de longo prazo (e até nos de curto prazo), as duas últimas seriam para planos de curto prazo que não ajudariam a bater minhas metas para daqui a 3 anos (porque 2 anos do meu plano de carreira já se foram).

Metas de médio prazo

Além de planejar para daqui a 5 anos, devemos começar a aprofundar em nossas metas a fim de extrair pequenas tarefas disso. Para tal, criamos outro card em following com o título “ano de xyz”. Em nosso exemplo, “ano de 2018”.

Neste card vamos colocar as metas que vamos buscar para o ano evitando, novamente, ser algo muito específico.

Card com metas do ano de 2018, como "aprender backend", "melhorar no inglês", "aprimorar conhecimentos em JavaScript", "testes de software", etc

Essas tarefas devem estar diretamente relacionadas com as metas a longo prazo.

Tarefas/metas de curto prazo

Agora é que vem o trabalho duro e que vamos conseguir ver tudo funcionando!

Quando pensamos em metas de longo e médio prazo não é muito fácil enxergar o valor que isso vai resultar de imediato (porque não são para agora, claro). As metas de curto prazo, que costumo chamar de tarefas, são as que vamos enxergar passando de uma coluna para a outra em nosso board.

Vamos entender melhor algumas tarefas do quadro que é exemplo deste artigo. Nós temos os itens:

Pensando no exemplo de aprimorar o conhecimento em JavaScript, podemos nos questionar o seguinte: quais são as maneiras que temos para aprimorar nosso conhecimento em uma linguagem de programação x?

E nos vem algumas respostas na ponta da língua: lendo livros, praticando, participando de comunidades, indo a eventos, fazendo um curso…

O mesmo exercício de reflexão devemos fazer para todos os itens.

Vamos, então, criar cards para cada tarefa e colocar neles os meios que vamos seguir para conquistar este objetivo.

Começando pelo card de “aprimorar conhecimento em JavaScript”, podemos criar as seguintes tarefas em nossa coluna de backlog: comprar o livro xyz que é muito recomendado sobre a linguagem, ler x páginas do livro xyz por dia, criar um projeto com o conhecimento adquirido, escrever artigos sobre o que aprendi com o livro e a prática.

Card com as tarefas para dominar JavaScript, como: "comprar o livro xyz, que é muito recomendado pela comunidade", "ler x páginas do livro por dia", "criar um projeto para praticar esses conhecimentos", "escrever artigos sobre o que estou aprendendo"

E nestes cards podemos ter checklists específicos, pois eles podem passar rápido pelo todo e doing conforme sua complexidade. Por exemplo: é mais rápido comprar um livro do que criar projetos para praticar o que aprendeu com a leitura.

Seguindo o fluxo do board

Devemos criar uma rotina de revisão do board. Eu costumo fazer isso toda semana e graças a essa review, acabo jogando fora muita tarefa que ficaria presa ali por um bom tempo por não fazer sentido a longo prazo.

Também devemos criar a rotina de seguir o board. Olhar o que foi planejado e que está rodando em doing e fazer aquilo andar. Eu costumo olhar todos os dias de manhã (como se fosse uma caixa de email).

Com o tempo o board ficará com os cards bem espalhados e para entendermos o que é prioridade nele devemos seguir algumas regras:

Imagem do board inteiro com todas as colunas e cards informados até aqui

Para facilitar nossa vida, podemos criar labels que dizem com o que aquele card é relacionado. Exemplo: todo card com label amarela pode ser relacionado a “aprimoramento do JavaScript” e todo card com label vermelha é relacionado “a aprimorar o inglês”.

Board inteiro com os cards com as cores informadas

Uma coisa importante de se pensar é que, além das cores, as labels podem receber um título. O que ajuda pessoas com deficiência visual. O leitor de tela conseguirá interpretar essas labels.

Tendo tudo isso em mãos, é só partir para o trabalho duro de tentar manter o foco durante a semana, o ano e para daqui a 5 anos.

Nem tudo o que vai acontecer foi planejado

Muita coisa pode acontecer. E principalmente coisas que não foram planejadas. Nós podemos mudar de cidade e os custos de vida aumentarem tanto que não dá mais pra comprar livro ou fazer cursos. Podemos mudar de emprego e demorar muito mais para chegar ao trabalho, perdendo aquele tempo bom de prática que poderíamos exercitar. Podemos mudar de emprego e no emprego novo não usa nada daquilo que estamos estudando para o longo prazo… Sério, pode acontecer qualquer coisa.

Precisamos ser resilientes.

Na hora de uma mudança drástica, precisamos analisar as tarefas e metas e agir racionalmente. Até mesmo, se for necessário, mudar o plano de carreira, devemos fazer. Tudo para que nos ajustemos ao que vamos fazer a partir daquele ponto de ruptura em nossas vidas.

Conclusão

O Trello é uma ferramenta bem legal para colocarmos nossos planejamentos. Eu estou utilizando para gerenciar minha vida e está dando bem certo, conforme podemos conferir aqui:

Porém podemos utilizar qualquer ferramenta, desde que ela possua um modo de criarmos um fluxo de “começa aqui e termina ali”.

Depois de termos os dados coletados, devemos transformar em informação e alimentar o board. Com o board devidamente carregado, agora podemos criar rotinas semanais de review para analisar o que devemos remover/apagar do backlog e rotinas diárias de entender o que estamos fazendo no dia. As labels podem nos ajudar muito e imprevistos irão acontecer. Isso é extremamente normal.

Espero que este artigo tenha lhe ajudado e, caso você não tenha visto o primeiro, confere ele aqui:

Espalhe a palavra!

Compartilhe este artigo nas redes sociais clicando nos ícones.

Deixe um comentário