Como é uma entrevista de emprego para desenvolvimento front end - JavaScript

Muita gente me pergunta como é uma entrevista de emprego para a área de desenvolvimento front end ou JavaScript.

Dúvidas como “O que temos que fazer nessas entrevistas?” ou “É muito difícil?” são comuns nas conversas que tenho com pessoas que busca um emprego na área.

Nesse post vou contar um pouco da minha experiência com algumas entrevistas.

Senta que lá vem história.

O medo das entrevistas

Quando você nunca fez uma entrevista de emprego é extremamente normal ficar com medo. Ainda mais depois de estudar tanto e fazer tantos testes ou exercícios práticos.

Se você já conhece a empresa que te chamou para a entrevista ou é alguma empresa que você sempre quis trabalhar lá então, o medo parece dobrar.

Os requisitos das vagas então… Assustam qualquer um.

Parece que quem redigiu a vaga pesquisou linguagens de programação no Google e colocou tudo o que achou lá. Não duvide de encontrar a exigência de ASSEMBLY (Assembly mesmo, nao Web Assembly]) pra desenvolvedores Front End sendo que na hora da entrevista técnica vemos que não tem nada a ver.

Depois de algum tempo como desenvolvedor Front End - JavaScript posso dizer que já passei por algumas entrevistas bem assustadoras e outras nem tanto.

A preparação prática

Antes de qualquer teste prático você precisa se preparar, uma entrevista é quase a mesma coisa, porém valendo um emprego.

Tente relembrar algumas coisas que você não pratica a algum tempo e que podem cair nos testes para a vaga. Você percebe o que precisa reforçar dando uma olhada nos requisitos da vaga.

Ex.: Se na vaga pede algoritmos (aqueles da faculdade), testes de software, alguma biblioteca ou framework.

Então é interessante reforçar esses assuntos.

Peça para alguém que já atue na área para te fazer algumas perguntas sobre os temas que caem nas entrevistas de vagas front end, só para testar seus conhecimentos. Também vale muito a pena fazer alguns quizes, procurar testes na internet ou mesmo desenvolver alguma coisa.

O iMasters tem uma série de certificações, tente tirar esses certificados nem que seja só para testar seu conhecimento. A maioria das empresas não busca front enders certificados em alguma coisa, porém isso pode ser um plus.

Independente de estarmos em um processo seletivo ou não sempre é importante praticar o que estudamos, senão acabamos esquecendo as coisas mais simples.

Muitos de nós temos o costume de estudar um tema e não praticar o suficiente para fixar o conhecimento. Nós ficamos no teórico e na hora de um teste prático, travamos.

Aqui temos diversas questões legais que você pode analisar e entender seu nível de conhecimento atual: h5bp: Front-end Job Interview Questions.

E aqui alguns requisitos da área de Front End que a comunidade selecionou: Carreira Front End.

Aceitar ou não uma oportunidade

Antes mesmo de ir fazer a entrevista é interessante analisar qual o tipo de empresa te chamou, o que eles fazem, como fazem, qual a cultura organizacional, etc, qualquer coisa que te ajude a conhecer a empresa. Analise bem isso antes aceitar qualquer emprego por desespero ou por um salário mais alto. Afinal, se você não gostar da empresa pode recusar logo e não perder seu tempo nem o dos recrutadores.

Seu objetivo de carreira também precisa ser analisado antes de aceitar a fazer essa entrevista.

Veja alguns pontos que podem ser levados em consideração:

  • essa é uma empresa onde você vai aprender mais sobre o que você faz ou vai aprender algo novo que vai agregar para sua carreira?
  • você tem chances de crescimento dentro da empresa?
  • a empresa proporciona um salário justo ao que você vai fazer?
  • a empresa proporciona bons benefícios (plano de saúde, vr, vt, etc)?
  • você está de acordo com a forma de contratação (CLT, PJ, etc)?
  • você vai ficar fazendo a mesma coisa durante anos ou vai fazer algo diferente sempre?

A análise sobre esses tópicos é estritamente pessoal. Não tem como eu dizer o que seria uma vaga boa, pois isso varia muito de região para região e de objetivos pessoais de cada um.

Cuidado ao aceitar as vagas de emprego só porque está no desespero. Pode ser que você vá para algum lugar onde vai perder muito tempo que poderia ser investido em sua carreira.

Claro que até aqui eu não levei em conta o momento financeiro de cada um. Se você está realmente precisando de um emprego por estar necessitado, leve isso em consideração. Afinal você precisa sobreviver pra poder entrar em um emprego melhor depois. ;)

Como foram as entrevistas que participei até agora

As entrevistas variam muito de empresa para empresa, de líder técnico/gerente/equipe. Não tem como eu dizer exatamente como serão todas as suas entrevistas, porém vou dizer como foram as minhas.

Meu primeiro emprego como desenvolvedor web foi para trabalhar com PHP, MySQL, Apache e tudo relacionado a desenvolvimento de sites institucionais e eu só fiz uma entrevista pessoal com o dono da empresa.

Foram alguns minutos de conversa sobre o que eu já conhecia tecnicamente e sobre minhas experiências anteriores e logo veio a proposta de salário e fiquei de receber o contato deles depois sobre a aprovação ou não para a vaga.

A vaga não exigia muita coisa, afinal era para um Junior, então foi somente isso mesmo.

Depois de algum tempo nesse emprego, eu estava em um grupo de discussão do Facebook eu comentei que não tinha vaga para desenvolvedores front end, especificamente front end, na região do Grande ABC Paulista.

Pois bem, existe uma grande empresa de turismo que tem sua área de desenvolvimento nessa região e os desenvolvedores de lá são bem ligados em foruns de discussão/comunidades e um líder técnico de lá me descobriu.

Para essa empresa eu tive a entrevista pessoal onde conversamos sobre o que eu já sabia, experiências anteriores, o que eu queria para o meu futuro, o que eu esperava aprender dentro dessa empresa e recebi um teste prático para desenvolver uma tela responsiva e com algumas funcionalidades em JavaScript em alguns dias.

Nesse teste eu poderia utilizar qualquer coisa que eu gostasse ou quisesse mostrar, então utilizei o Pastel, meu Grunt boilerplate e busquei organizar a arquitetura de maneira escalável e performática, pois é uma grande empresa e eu achei que isso deveria ser uma preocupação devido a quantidade de mudanças que o sistema poderia sofrer com o passar do tempo.

Eu tive um final de semana para fazer esse teste e eu acabei demorando um pouco mais por causa da minha internet maravilhosa de 256 KB/s (sim, 256 KB/s de conexão, em 2015). Quase infartei com a demora, achei que não iria passar, mas depois de um tempo veio a resposta e deu tudo certo. O teste tinha algumas falhas técnicas que aprendi a corrigir depois com eles.

Nessa empresa conheci uma pessoa muito legal que me ensinou bastante coisa sobre JavaScript e depois de um tempo saiu de lá. Ele foi para uma empresa muito legal onde podia andar de chinelo e bermuda dentro do escritório! Achei demais.

Depois de um tempo esse amigo foi para Portugal, para uma empresa onde ele já tinha trabalhado antes e também era muito legal. Com a saída dele ele me indicou para seu lugar.

Com isso veio a entrevista mais longa que eu já fiz na vida!

Para essa vaga eu tive uma entrevista pessoal com o líder técnico da época, o líder de front end e o gestor da área de engenharia. Depois dessa conversa recebi um teste de lógica pelo HackerRank, teste esse que quase me tirou da oportunidade. Eu fui muito mal nesse teste, pois a ansiedade e o inglês ruim me fizeram não sair do lugar nos exercícios.

Mesmo assim tive uma segunda oportunidade e recebi um teste prático para desenvolver uma pequena aplicação com AngularJS, pré processadores CSS e automatizadores de build. Para isso utilizei o Kibe, meu Gulp boilerplate e nesse teste eu fui bem melhor que o de lógica!

Depois de passar no teste prático veio outra conversa, agora com o CEO da empresa e o pessoal de RH. Essa última foi mais para falar sobre minhas expectativas sobre a empresa e discutir salário (coisa que eu nem sabia fazer direito).

Dica: pesquise sobre salários antes da negociação sobre esse assunto.

Pois bem, deu tudo certo e eu entrei na empresa.

Mas, claro, essas foram as entrevistas que deram certo, agora deixa eu te contar um pouco sobre as entrevistas que fui mal.

Nem tudo são flores

Antes das entrevistas darem certo eu passei por algumas outras que não foram tão legais ou que eu não me sai tão bem. Foram várias, várias mesmo e não da para contar todas aqui, mas vou deixar as que mais me marcaram ou ensinaram algo.

Logo que eu decidi largar de vez a área de infraestrutura e virar desenvolvedor web eu participei de uma entrevista em uma empresa multinacional com oportunidade de emprego remoto.

Para essa vaga em questão eu trabalharia como desenvolvedor front end, isso antes mesmo de eu saber o que era front end. Pois bem aceitei o desafio e fui pesquisar o que raios um front end precisava saber. Foi ai que nasceu o meu post com uma trilha de estudos para front end, foi justamente o que eu estava estudando na época.

Nessa entrevista eu fui super bem, o pessoal me recebeu de forma legal, porém eu tive que fazer uma chamada via Skype com o CEO da empresa… Fracasso! Meu inglês era pior do que qualquer coisa e eu não consegui manter 5 minutos de diálogo com ele. Me dei mal.

Dica: Estude inglês!!!

Outra vez eu fui em uma empresa muito legal de empréstimos bancários. Essa fui muito simples também, conversei com a responsável pelo RH e depois com o responsável pela área de desenvolvimento. Depois dessas conversas fiz um teste de conhecimento sobre programação e outro de inglês. Nem preciso dizer o que me derrubou de novo, né?

Pois bem: Estude inglês.

O responsável pela área de desenvolvimento me deu excelentes dicas sobre programação que me fizeram aprender muito. Sou grato a ele por isso.

Houve também uma vez em que fui numa pequena agência, aparentemente muito interessante, com um site extremamente bem feito em questão de design, com um marketing muito atrativo próximo a minha região. Tive somente uma conversa com o diretor de TI e ele ficou de me mandar um teste prático e a proposta de salário.

Quando recebi o teste fiquei extremamente descontente, pois eu já estava focando em front end e JavaScript e a vaga era para front end, porém o teste que recebi não tinha nada disso. Era para fazer um CRUD simples em PHP e MySQL, mas eu havia dito que não era nisso que eu estava focando. O salário então foi o que mais me desmotivou. Receberia um salário bem abaixo do mercado e, ainda por cima, teria que tirar almoço e transporte desse salário. Desisti.

OBS: Não seja rude quando receber uma proposta dessas. Assim como nós, desenvolvedores, os demais também são subordinados e recebem ordens, quem manda a vaga e as propostas de valor muitas vezes recebem isso de seus superiores. Eles sabem que a proposta é ruim, porém pouco podem fazer para melhorar.

Eu respondi com empatia para aquele diretor dizendo que eu não iria aceitar por que o teste e o salário não eram o que eu esperava.

Pouco tempo depois eu recebi uma proposta para tentar entrar em uma grande empresa de serviços de TI aqui do Brasil. Uma empresa com serviços de Cloud, desenvolvimento de sites e tudo mais. Achei uma excelente proposta e fui até lá.

O que me desmotivou foi a distância. Eu demorei 2 horas e meia dentro do ônibus e ainda faltava mais 1 hora de viagem para chegar lá. Pensei comigo: imagina eu perdendo 6 horas do meu dia, todos os dias da semana… Não daria certo. Eu teria de abandonar qualquer plano que eu tivesse para a semana como estudos ou mesmo descanso. Desisti no meio do caminho. Liguei para o responsável pela entrevista e avisei sobre o ocorrido. Triste vida.

Teve outro teste muito legal que eu gostaria de comentar contigo antes de concluir esse post.

Uma vez eu fiz entrevista em uma agência gigantesca, multinacional também. Uma vaga muito boa, para front end realmente, com um salário muito acima do que eu planejava, mas uma localização ruim para o meu caso. A localização não me fez desistir. Para essa vaga eu perderia 4 horas do meu dia. Fui.

Essa entrevista foi demais! Foi em um almoço com os responsáveis pelo desenvolvimento web onde conversamos sobre desenvolvimento no geral, discutimos sobre programação e pronto! Foi só isso mesmo. Uma conversa no almoço.

Mas mesmo assim essa conversa me desclassificou. Adivinha… A conversa era em inglês e meu inglês não estava lá essas coisas.

Conclusão

Independente do resultado de sua entrevista de emprego, nunca desista de correr atrás de seu objetivo. Se você quer trabalhar como Front End, vá atrás, se é Back End, vá atrás.

Não pense que se saiu mal na entrevista porque você é ruim, simplesmente aprenda com elas.

Em todas essas entrevistas que eu participei eu coletei informações com os entrevistadores e pessoas que trabalham na área de desenvolvimento.

Tente perguntar pra eles como você pode melhorar.

Algumas empresas nem mandam uma resposta do porque você falhou no teste, porém você pode questionar e foi o que eu fiz e com isso eu consegui mais informações sobre como planejar minha carreira como desenvolvedor.

Foque sempre em suprir o que faltou para passar na vaga que você tentou e na próxima entrevista você estará mais preparado do que na anterior.

É lógico que na hora do desespero e quando a necessidade bate a porta precisamos aceitar certas propostas ruins, porém não fique preso(a) a isso. Tente não ficar estagnado(a) em um trabalho ruim. Nem que pra isso você precise mudar de cidade/estado/país.

E a maior dica de todas: Estude inglês.

Espero que esse post tenha esclarecido um pouco sobre como é uma entrevista de emprego na área de desenvolvimento.

Se você souber mais algum post sobre o assunto, comente aqui embaixo para eu atualizar esse post com mais referências.

Compartilhe esse post com seus amigos, com seu cachorro que quer virar programador, com sua tia que enche o saco por que você está desempregado.

Spread the word!