A pirataria me trouxe até aqui

Sobre como a pirataria me proveu meios para estudar e hoje estou aqui

Existe algo que é quase inerente a toda sociedade: se existe uma lei, ela será desafiada ou quebrada por uma parcela de pessoas.

Quanto a direitos autorais, existem leis contra o compartilhamento ou cópia de qualquer material protegido por licença autoral sem o pagamento dos direitos autorais ao indivíduo ou entidade que criou o objeto, seja esse compartilhamento feito de maneira gratuita ou não. Ou seja, quando baixamos um livro ou um curso pago por meios ilegais (como aquele link do Dropbox, Google Drive, One Drive) estamos cometendo um crime muito parecido com o roubo.

A pirataria é um dos atos de roubo/assalto mais antigos da nossa existência, que começou antes de cristo pela linha do tempo histórica do mundo, segundo a Wikipedia:

Primeiramente a pirataria marítima foi praticada por gregos que roubavam mercadores fenícios e assírios desde pelo menos 735 a.C.

E hoje, a chamada pirataria moderna é relacionada a direitos autorais e licenças comerciais de conteúdo, software ou produtos físicos mesmo. Ainda existem os piratas no mar lá fora, porém a pirataria moderna se trata de produtos como CDs, DVDs, séries, filmes, cursos, livros, roupas, medicamentos, etc.

Mesmo que só estejamos baixando algo e não compartilhando ele, estamos cometendo uma violação contra os direitos autorais, pois não estamos pagando para o/a autor(a) ou a empresa que criou esse conteúdo e podemos até mesmo tomar um processo caso descubram essa violação.

Assim como fazer uma curva ilegal, ultrapassar o farol vermelho, andar de bicicleta na calçada com placa de proibido, nadar onde não devemos, invadir uma fazenda só pra pegar uma frutinha, violentar ou difamar alguém, não ajudar quem precisa, usar o Windows que baixamos via torrent ou qualquer outro “pequeno” crime desses (que cometemos todos os dias e nem nos damos conta mais) a pirataria está presente na vida da maioria das pessoas e comigo não foi diferente.

Segundo um levantamento de dezembro de 2017, realizado pelo Fórum Nacional Contra a Pirataria e Ilegalidade (FNCP), o Brasil perde R$ 130 bilhões por ano com pirataria, contrabando e comércio ilegal de produtos e conteúdo.

Mas, se não fosse a pirataria eu não estaria aqui hoje, alguns anos depois de me tornar desenvolvedor de software, palestrante, gerador de conteúdo para a internet, escrevendo um livro (que, se for bem aceito pelo público, será pirateado) e ajudando outras pessoas a entrarem na área de desenvolvimento.

Uma pequena história para quem não conhece/enxerga a realidade

No mundo existem bilhões de pessoas (7,6 bilhões, em outubro de 2017 estimando 11,2 bilhões em 2100, segundo a ONU). No Brasil temos 208.494.900 habitantes segundo o IBGE. E, segundo a ONU, o Brasil testemunhou um aumento de 2,5 milhões até 3,6 milhões no número de pessoas vivendo na miséria em 2017, sendo confirmado pelo IBGE que indica que 52 milhões de brasileiros estão abaixo da linha da pobreza, o que antes era 50 milhões.

Fora os lugares onde o IBGE não entra para conferir, né?

Um pedaço do inferno, aqui é onde eu estou Até o IBGE passou aqui e nunca mais voltou

E você sabe o que isso significa?

Significa que essas pessoas não possuem recursos para chegar até a informação. Assim como eu não tinha.

É muito fácil olharmos para um livro de 50 reais e dizer: pô, são 50 reais que eu estou gastando hoje para colher os frutos no futuro. Nós não precisamos nos preocupar com o presente como uma pessoa que precisa pegar esses 50 reais e fazer um milagre para alimentar os filhos.

Como o exemplo da série Atlanta, temos uma cena que conta muito sobre a realidade:

Eu sou pobre, Darius.

E os pobres não têm tempo para investimentos, porque estamos muito ocupados tentando não ser pobres. Tenho que comer hoje, não em setembro.

atlanta.jpg

Mas podemos pensar: poxa, mesmo que muito conteúdo é pago, uma grande parcela de pessoas gera conteúdo gratuito, ensina de graça na internet!

Sabe qual é a verdade? As pessoas pobres de verdade nem imaginam que isso existe. Alguém privado de informação desde sua infância nunca recebeu uma dica dizendo “olha, tem esse canal no YouTube aqui, fantástico, que pode te ensinar programação e você pode entrar em uma área muito promissora”. Para elas ou você paga um curso/faz uma faculdade ou nunca terá a oportunidade de entrar na nossa área.

Essas pessoas só vem descobrir isso depois de adultos (como eu, que parti para tecnologia depois dos 20 por incentivo do meu irmão, que conheceu a área de tecnologia quase aos 30), muitas vezes já com família montada, com filhos e já não tem mais tempo para estudar por conta ou investir tempo em algo além do seu próprio trabalho que traz o alimento para casa.

É uma questão de ter ou não ter: ou nós temos tempo para estudar ou nós trabalhamos, cuidamos da casa, dos filhos e seguimos nossa vida de acordo com o que ela for empurrando pra nós. São raras as exceções que conseguem uma oportunidade legal, que recebem um conselho bom antes dos 20 e de ter sua vida toda montada em volta de circunstâncias ruins economicamente falando.

O conteúdo que nós geramos na internet para levar conhecimento gratuito às pessoas chega a uma parcela minúscula de gente que realmente precisa e o restante são pessoas com mais condições, que sempre tiveram tudo mais fácil, têm mais educação e por isso até acham que é tudo tão simples quanto desembolsar 50 reais em um livro.

Como a pirataria me ajudou

Conforme está escrito no título e eu já reforcei nesse texto, eu recebi grande ajuda da pirataria.

Quando eu não tinha condições de investir dinheiro nos cursos e livros (e muito antes de Casa do Código ou Udemy), eu os baixava de maneira ilícita pela internet. Foi assim que eu aprendi programação. Foi assim que eu aprendi HTML, CSS, PHP, SQL, MySQL, Apache, Linux, depois JavaScript pesado e então eu consegui um emprego como programador e minha vida mudou de rumo completamente.

Ao entrar na área de programação eu consegui salários, benefícios e oportunidades que nunca eu imaginaria receber na minha vida.

Inclusive a oportunidade de falar que sou programador em uma blitz policial e ser tratado diferente.

Porém, para conseguir um emprego na área precisamos dominar um milhão de coisas, precisamos conhecer trocentas técnologias, quando não é exigido uma faculdade. Eu não tinha como investir tempo em uma faculdade. Eu era burro demais pra passar em um vestibular e pobre demais pra pagar um curso superior. Ou era ler livros sobre programação ou continuar deixando a vida me levar e ver onde eu iria acabar.

Lembrando que eu sou mais privilegiado que a maioria dos meus amigos, que cresceram nos mesmos lugares que eu, então imagine a condição deles.

Hoje, graças aos frutos de investir meu tempo (que também é um privilégio que eu tive e meus amigos não) consumindo conteúdo pirata sobre programação, eu faço até uma faculdade! Olha que impressionante!

A hipocrisia do abastado financeiramente

Lógico que eu não quero que você seja um criminoso ou uma criminosa virtual por ler este texto. Longe disso!

O grande pecado da hipocrisia quando falamos de pirataria, está naquela pessoa que possui condições financeiras, têm o privilégio de ter tempo para estudar e uma boa educação de base e mesmo assim prefere pegar um conteúdo na internet do que gastar o seu precioso dinheiro que está rendendo 0.77/1% ou mais ao mês na corretora de investimentos.

Se você possui condições financeiras, por favor, pague os devidos direitos a quem lhe disponibilizou o tempo e energia para gerar o conteúdo que você está consumindo.

Se você é uma pessoa pobre, mas não tanto, que consegue economizar uma pequena parte do seu dinheiro para comprar um conteúdo, por favor, faça o mesmo. Vale muito mais a pena você segurar a sua ansiedade, consumir conteúdo gratuito e depois pagar pelo curso e prestigiar o trabalho de quem o produziu, do que baixar milhares de livros e cursos que você nunca vai finalizar.

Lembre-se sempre, não é só porque a pirataria é um ato criminoso que eu não quero que você pratique. Ao pagar os devidos direitos, nós estimulamos que as pessoas continuem produzindo bom conteúdo.

Hoje, muitas vezes, eu doo cursos, livros e meu tempo para pessoas que eu sei que são muito necessitadas (dentro do meu orçamento é claro) e isso para que elas não precisem cometer o crime da pirataria para conseguir melhores opções de vida. Se você também possui essa condição, procure por pessoas que precisam e ajude elas. Na vida tudo passa, até o dinheiro que achamos tão valioso ao ponto de não doar para alguém que precisa muito, mas torramos na lanchonete ou no bar.

Conclusão

Talvez as pessoas reclamam tanto da pirataria de conteúdo educativo na internet não pela quantidade de dinheiro que perdem, mas porque isso dá opções para as pessoas que elas não querem ver no mesmo avião que elas.

Afinal, hoje eu já fiz até uma viajem de avião e estou com as passagens compradas para a próxima e sabemos como alguns privilegiados não se sentem bem tendo um pobre andando de avião. Minha mãe nunca imaginou que isso seria possível.

A pirataria é crime e devemos fugir dela a todo custo, mas foi graças a ela que eu cheguei aqui. Só que não vou estimular ela. Se você não tem condições de pagar um curso, mas tem condições de chegar até este texto, que tal abrir uma vaquinha na internet?

Faz uma vaquinha online pelo vakinha.com.br.

Existem outros sites para isso e muita gente que pode te ajudar nas comunidades, mas fuja, na medida do possível, de consumir conteúdo pirata.

Agora, se você não tem condições alguma de fugir disso, eu não vou te julgar, mas espero que um dia seja você a comentar que não precisa mais consumir conteúdo pirata. - Boa sorte!

Referências

Categorias:

Espalhe a palavra!

Compartilhe este artigo nas redes sociais clicando nos ícones.

Deixe um comentário